ÍDOLOS

Yannick Noah, campeão de Roland Garros em 1983

YANNICK NOAH (FRA)

Aos 15 anos, o francês Yannick Noah foi uma das atrações do VII Banana Bowl em 1976, quando foi derrotado nas quartas de final pelo brasileiro Celso Sacomandi. Meses depois de sua participação no torneio juvenil brasileiro, disputou pela primeira vez a chave principal de Roland Garros, torneio que conquistaria em 1983 para se tornar o último francês a vencer o Grand Slam em Paris. Conquistou 23 títulos de simples e 16 de duplas como profissional, chegando ao número 3 de simples e 1 de duplas no ranking ATP em 1986. Após a carreira de tenista, Noah também fez sucesso como cantor e é pai do jogador de basquete Joakim Noah, que atua no Chicago Bulls na NBA.

 


 

JOHN MCENROE (EUA)

JOHN MCENROE (USA)

John McEnroe chegou ao Brasil para jogar pela primeira vez no VIII Banana Bowl, em 1977, e conquistou os títulos de simples e duplas, vencendo em simples o tcheco Ivan Lendl no início do que seria uma das maiores rivalidades do tênis mundial. Ainda no ano de 1977, McEnroe chegaria ao seu primeiro título de Grand Slam nas duplas mistas de Roland Garros. Ao longo da carreira, o americano ganhou 17 títulos de Grand Slam entre simples, duplas e duplas mistas, além de cinco edições da Copa Davis pelos Estados Unidos. Após encerrar a carreira, McEnroe entrou para o International Tennis Hall of Fame em 1999 e se tornou comentarista de TV.

 


 

IVAN LENDL

IVAN LENDL (TCH)

Ivan Lendl chegou ao VIII Banana Bowl, em 1977, como tenista juvenil mais badalado do mundo e favorito ao título no Tênis Clube de Santos e fez ótima campanha até a final, quando foi superado por John McEnroe em quadra coberta devido à chuva. No ano seguinte ao vice-campeonato do Banana Bowl, Lendl jogou pela primeira vez um Grand Slam em Roland Garros. O jogador tcheco bateu na trave em algumas oportunidades antes de faturar seu primeiro Major em 1984, quando venceu na final justamente o americano John McEnroe. Lendl totalizou na carreira a conquista de 8 torneios de Grand Slam e foi número 1 do mundo. Chegou a voltar ao circuito como técnico do britânico Andy Murray.


 

GABRIELA SABATINI (ARG)

GABRIELA SABATINI (ARG)

Gabriela Sabatini foi bicampeã do Banana Bowl na categoria 14 anos ao vencer a americana Amy Schwartz em 1983 e a brasileira Claudia Chabalgoity em 1984, ano em que jogou sua primeira chave principal de Grand Slam e avançou até a terceira rodada do US Open aos 14 anos. Sabatini se tornou uma das grandes jogadoras do circuito feminino entre o final da década de 80 e o início da década de 90, com a conquista de Wimbledon nas duplas em 1988 e do US Open de simples em 1990. O único Grand Slam em que a argentina nunca jogou a final foi o Australian Open. Ela atingiu o número 3 do mundo em simples e duplas. Também ficou famosa com o lançamento de um perfume com o seu nome.


 

GUSTAVO KUERTEN (BRA)

GUSTAVO KUERTEN (BRA)

Gustavo Kuerten conquistou seu único título do Banana Bowl em 1992, quando venceu a categoria 16 anos do torneio, mas sua história no torneio vai além. Foi durante um Banana Bowl em Santos, o seu treinador Larri Passos mudou a esquerda de Guga que era de duas mãos para a de uma mão, que ficou famosa como um dos pontos mais potentes do brasileiro. Cinco anos depois de vencer o Banana Bowl de 16 anos, Kuerten conquistou o primeiro de seus três títulos de Roland Garros. Ele foi o único brasileiro número 1 do mundo na Era Moderna do tênis e ganhou fama também como um dos tenistas mais carismáticos do circuito mundial.